sábado, 17 de setembro de 2016

Metonímia da Carteira

Sabemos como é temerário classificar as pessoas. Mas podemos justapor atitudes assimétricas, com o fito de refletir. Coloquemos nestes termos. Há dois tipos de gente: aquelas que, de antemão, separam o bilhete único, o ingresso do cinema, o documento, as cédulas (ou as moedas) e aquelas que não o fazem. As do primeiro tipo agilizam a sua viagem, a sua entrada e acomodação no cinema, o acesso à área de embarque, o pagamento da passagem, a aquisição do produto que desejam. Assim, favorecem o fluxo da fila no ônibus, na bilheteria, no portão, no caixa. Ou seja, de alguma forma consideram a existência do coletivo. As pessoas do segundo tipo julgam-se privilegiadas por "terem chegado" lá. "Agora é minha vez: vou saborear o momento, valorizar o passe. Os outros que me esperem". O pior é que, muito frequentemente, os indivíduos da segunda categoria (e de segunda categoria, a meu ver) tomam os espaços a que pesssoas mais simples sequer têm acesso. Comumente, bons modos e bom senso não caminham juntos com a posição na escala social. Pelo contrário, muita gente de segunda classe supõe que a espera do outro as coloque, de alguma forma misteriosa, sob o patamar mais elevado -- ainda que seja no papel incrível de passageiras de ônibus ou avião, espectadoras de cinema ou clientes a comprar cebolas no mini-mercado.  

terça-feira, 13 de setembro de 2016

De volta à ativa

Após as férias usufruidas em julho e o afastamento por motivo de saúde até a semana passada, eis-me de volta à Universidade. E quem diz "Universidade", também diz "Unidade", "Departamento", "Colegas" e "Alunos", café em companhia dos amigos possíveis -- dentro do universo acadêmico. É a primeira vez que retorno às atividades profissionais, após um período forçado (e sentido) de ausência. Vá lá, deve ser a vantagem de ter quarenta e poucos anos. Nesse intervalo, estive apenas uma vez no Campus. Era domingo: vim retirar um livro indispensável para a escrita de um texto sobre os jesuítas. Os dias de expectativa por exames e procedimentos levam a gente a repensar tudo. obviedade a que me dou o direito de mencionar. Isso significa que sempre podemos aprimorar nossas capacidades de (in)tolerância, rever ou consolidar convicções. Mas, por falar na Companhia de Jesus, muitas descobertas foram feitas no que li -- o que permite relativizar os múltiplos papéis dos irmãos da Ordem, por mais de dois séculos, nos Estados do Brasil e do Grão-Pará. Até os embates com a Coroa, eles foram soberanos (espiritual e temporalmente) nesses territórios. Não é coisa de somenos: ainda hoje, assistimos a lutas bem menos refinadas em torno do poder, sob o patrocínio da iniciativa privada, com direito à bala, fundamentalismo e a chaga do latifúndio.  Pensando bem, será ótimo ir ao Rio, no domingo. Uma semana à mais para uma universidade de menos: fórmula orginal e oportuna, a ponderar no café da Rua do Ouvidor.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Quadras Militantes

 
Decerto a mulher que aí vês é devota:
Fez o sinal da cruz, mal avistou a Igreja
Metros à frente, ao mendigo ajoelhado
Como de praxe, afetou vista grossa.

Certamente o garoto que aí tens é esforçado:
Fez sinal para o motorista, quando passou o ônibus
Passos distante, o gesto transformou-se em ordem
Ele que me espere: ao fim do mês tem ordenado.

Quiçá a jovem que percorre a loja é deveras feliz:
A cada gôndola uma gargalhada, entre colas e giz
Mal sabe o funcionário, o cliente e o gerente
Que motivos eles dão à moça de brim.

Por certo o homem fardado está ao lado da ordem:
Manda fechar bares e sair clientes, o dedo em riste
Não aprendeu a reconhecer seus legítimos inimigos
Em nome da lei, ele é quem cega, fura e espeta.

Não duvide, o senhor que sai do carro é refinado:
Botou o auto em frente à entrada e, indiscreto,
Ordenou pelo contrário: – Deixei ligado!
Tinha pressa o sujeito, assim muito se explica.

Dia desses, hão de se encontrar na passeata infeliz
A mulher, que ora dará um carro ao filho empenhado
A jovem risonha, ao retirar as algemas do namorado
O senhor atarefado, em nome de deus e da pátria.